Phmetria esofágica de 24 horas (monitorização do ph esofágico)

A

monitorização do pH esofágico é um procedimento utilizado para avaliar a doença do refluxo gastroesofágico ou para se determinar a eficácia de tratamentos que impedem o refluxo ácido.
Este procedimento avalia informações sobre o pH esofágico durante o período de monitorização, geralmente próximo de 24 horas. De uma forma geral, mede-se a quantidade de ácido refluído do estômago para o esôfago.
O objetivo mais comum é avaliar os sintomas típicos da doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), como azia e regurgitação, que não respondem ao tratamento com medicamentos. Nesta situação, pode haver uma suspeita se o paciente tem realmente a doença do refluxo gastroesofágico ou se medicamentos antiácidos são suficientes para suprimir a produção de ácido.
O segundo objetivo é quando há outros sintomas que podem ser devidos ou não a DRGE (sintomas atípicos) tais como dor no peito, tosse, chiado, rouquidão, dor de garganta. Nesta situação, não está claro se os sintomas são devido à doença do refluxo gastroesofágico ou não. Ocasionalmente, este teste pode ser usado para monitorar a eficácia dos medicamentos usados para tratar a DRGE. O teste também é usado frequentemente como parte de uma avaliação antes da cirurgia antirrefluxo ou mesmo após para comprovar seu resultado.
O exame utiliza sensores de pH que registram o refluxo de ácido do estômago para o esôfago. Você deve tentar realizar suas atividades normais durante o dia, incluindo as que podem desencadear os seus sintomas. Refeições regulares devem ser consumidas durante o teste. A não ingestão regular de alimentos pode prejudicar o resultado do exame. Siga as instruções do seu médico sobre o uso de medicação durante o teste.
Pode ser necessário realizar um teste chamado “manometria esofágica” (ver instruções adicionais) a fim de determinar o posicionamento correto do cateter de pH esofágico.
O nariz estará anestesiado por um curto período de tempo. A sedação não é necessária, nem indicada. Colocar o cateter leva cerca de 10 minutos. Um cateter plástico ou fio fino é passado por uma das narinas, por trás da garganta até o esôfago, enquanto o paciente engole com ajuda de água. A ponta do cateter contém um sensor que detecta o ácido. O sensor é posicionado no esôfago para que fique acima do esfíncter esofágico inferior, uma área especializada do músculo esofágico que fica na junção do esôfago e estômago e que impede o conteúdo gástrico refluir para o esôfago. Às vezes o cateter tem vários sensores de pH para registro em diferentes partes do esôfago. Estes sensores extras não alteram o comprimento ou calibre do cateter. A outra extremidade do cateter que sai do nariz estará conectada a um gravador de pilhas pequeno que é usado com uma alça sobre o ombro ou com cinto na cintura.
Durante as 24 horas em que o cateter está no lugar, o paciente vai relatar sobre suas atividades: Refeições, períodos de sono e os sintomas são registados pelo paciente em um diário ou pressionando os botões do gravador. O diário ajuda o médico a interpretar os resultados. O paciente retorna na manhã seguinte para a remoção do cateter. Depois que é removido, o gravador é ligado a um computador para que os dados registados possam ser analisados.
Existem muito poucos efeitos secundários da monitorização do pH esofágico. Pode haver leve desconforto na parte de trás da garganta, enquanto o cateter está no lugar. A grande maioria dos pacientes não tem nenhuma dificuldade para comer, dormir ou realizar suas atividades diárias. A maioria dos pacientes, no entanto, prefere não ir para o trabalho porque não se sente confiante com o cateter no nariz. No entanto, não se deve restringir ações comuns, como caminhar, ir às compras, etc.

Manometria Esofágica

A

Manometria esofágica é um procedimento que mede a força e a função dos músculos do esôfago– órgão que trabalha para conduzir e empurrar a comida e líquidos da boca para o estômago.
No início do exame, o paciente deve ficar sentado na posição vertical. Uma narina é anestesiada com um lubrificante anestésico. Um fino tubo de plástico flexível, com cerca de meio centímetro de diâmetro, é passado através da narina anestesiada, passando pela parte posterior da garganta e descendo pelo esôfago, sendo engolido normalmente. Pode haver alguns engasgos durante a passagem, mas são facilmente controlados por instruções do médico.
Com a sonda posicionada dentro do esôfago, o paciente ficará deitado. Depois de um curto descanso para permitir que as pressões esofágicas se equilibrem e quando o paciente estiver habituado à presença da sonda, o exame começará. As pressões geradas pelo músculo esofágico serão medidas com o músculo em repouso e durante as deglutições de água oferecidas pelo médico. Várias deglutições serão feitas para permitir a medição do esfíncter esofágico inferior (a barreira ao refluxo), esôfago (o tubo de deglutição) e o esfíncter esofágico superior (na garganta). Gravações de pressão são feitas ao longo do estudo e o tubo é então retirado. O paciente pode retomar a atividade regular, fazer alimentação e tomar medicamentos imediatamente após o teste.
A manometria esofágica é usada para avaliar a causa do refluxo ácido do estômago para o esôfago (Doença do Refluxo Gastroesofágico ou DRGE). Os sintomas da DRGE incluem azia e regurgitação. A segunda situação mais comum é determinar a causa dos problemas com a ingestão de alimentos ou líquidos que possam ficar presos na altura do peito depois de engoli-los. A terceira é para avaliar pacientes com dor torácica, comumente associada à dor no coração, mas que podem ser provenientes do esôfago. Finalmente, o teste pode ser necessário para se determinar a posição mais adequada para a sonda de pHmetria esofágica.